Pular para conteúdo

Ntxuva

 Pelas ruas de Maputo, Moçambique, uma cena se repete. Debruçadas sobre um curioso tabuleiro repleto de concavidades, mãos hábeis passam pedrinhas de um lado para outro sob o olhar atento dos espectadores. Trata-se de uma partida de Ntxuva, o xadrez africano, um jogo de estratégia existente no continente desde antes da dominação da África pelos europeus.

O Ntxuva é um jogo tradicional da África subsahariana com origem mais provável no Egito. É uma variante do mancala, família de jogos de tabuleiro com várias concavidades e com o mesmo princípio geral de distribuição e conexão de peças. A partir do Nilo, os mancalas teriam se expandido progressivamente para o restante do continente africano e para o Oriente. “O Ntxuva está presente no dia a dia dos moçambicanos. Hoje, em Moçambique, o Ntxuva faz parte das modalidades do Festival Nacional dos Jogos Tradicionais. É um esforço do governo local para resgatar a cultura”.

Além de bem cultural, o jogo é considerado parte da etnomatemática, pois compõe o conhecimento matemático desenvolvido por povos não-europeus, aplicado na solução de suas realidades.

Entre as habilidades cognitivas que o Ntxuva desperta estão a orientação espacial, cálculo aritmético e construção de estratégias. “O Ntxuva trabalha alternativas e conexões. Cada casa contendo peças é uma alternativa de saída, uma opção. Cada opção pode ter uma ou várias conexões que levam ao objetivo final: eliminar as peças do adversário e retirá-los do tabuleiro” 

Estas opções e conexões exigem cálculos simples, mas ágeis e volumosos. “Esse volume de cálculos é que estimula o raciocínio aritmético, lógico e estratégico, além da memória das crianças”.

Carregando Ambiente Seguro